Categorias
Autotechs Carro Oficina

Seu carro foi atingido por enchente? O que fazer?

Seu carro foi atingido por enchente? O que fazer?

Não é sempre que desastres naturais podem ser evitados e algumas vezes nos pegam de surpresa. Quando isso acontece, precisamos estar preparados para agir de maneira correta, como, por exemplo, quando o carro foi atingido por enchente.

 

É importante ressaltar que o seu bem-estar deve estar sempre em primeiro lugar, por isso, se não for possível mover o veículo, saia e busque um local seguro antes de qualquer ação!

Segundo o site Quatro Rodas, qualquer veículo pode ser salvo de uma enchente, porém nem sempre é vantajoso pagar pelo serviço, que pode ser muito caro, principalmente se entrou água no motor causando o calço hidráulico, que ocorre quando os cilindros se enchem d’água, deformando os componentes.

Os valores para salvar um carro atingido por enchente podem variar dependendo do modelo e da falha que, quantos mais componentes eletrônicos tiver, mais caro o conserto.

Somente um mecânico pode avaliar os danos, porém se o seu carro foi atingido por uma enchente, existem algumas medidas importantes que você deve tomar para avaliar os danos e decidir como proceder.

Continue a leitura e saiba o que fazer.

Primeiros sinais de enchente: mantenha a calma e não se arrisque

Começou a chover e a água subiu rápido? Esse é o sinal para que você dobre a atenção e aja com mais cautela no trânsito, afinal, uma atitude errada pode colocar o carro ou até mesmo você em risco.

 

  • Se não for possível voltar ou sair do ponto de alagamento, a primeira coisa que você deve fazer é não continuar a dirigir caso não conheça a estrada. Ela pode ter buracos, bueiros abertos, bocas de lobo e obstáculos que foram encobertos pela água.
  • Saiba quando parar: o limite para atravessar o ponto de alagamento é quando a água está na metade da roda ou pneu, depois disso, ela pode entrar no motor e dificultar sua saída. Novamente, se não for possível voltar, desligue o carro, saia e busque ajuda.
  • Marcha lenta: Mantenha o carro na primeira marcha, evitando que o carro peça pela segunda. Manter uma rotação fixa evita a entrada de água no motor. 
  • Calço hidráulico: Esse problema é causado pela entrada de água no motor e isso ocorre principalmente quando o carro é ligado durante a enchente, troca de marcha ou caso a correnteza esteja forte.
  • Componentes eletrônicos: Evite a perda de componentes eletrônicos desligando o veículo quando perceber que a água está subindo rápido. Neste caso, lembre-se de sair imediatamente do veículo e buscar um lugar mais alto.

Quando a chuva parar e o nível da água descer, é o momento de avaliar os danos.



O que fazer quando o carro é atingido por enchentes? 

 

Conseguiu chegar até o veículo? Não é o momento de ligá-lo e dirigir até o seu destino. É o momento de avaliar a extensão dos danos e, primeiramente, verificar até que ponto a água alcançou. 

Se foi apenas até o assoalho e o carro não possui muitos componentes eletrônicos, o reparo pode ser relativamente simples. No entanto, se o veículo tiver muitas partes eletrônicas, o prejuízo pode ser maior.

 

  • Ligue para a seguradora ou guincho: Se o seu carro tiver seguro, acione a seguradora ou um guincho para remover o veículo do local. Quanto mais tempo o carro ficar parado, mais complicado o conserto.
  • Não ligue o carro atingido por enchente: Não insista em ligar o carro enquanto ele estiver submerso. Isso pode causar danos ao motor, como o calço hidráulico.
  • Leve o veículo para uma oficina: Após ser atingido por uma enchente, leve o carro a uma oficina mecânica. Um profissional avaliará o tamanho do problema e indicará os reparos necessários.
  • Faça uma higienização profissional completa: Faça uma higienização completa do veículo para remover lama e resíduos. Isso é especialmente importante se a água atingiu o interior do carro: a água da chuva pode ser vetor de doenças e o contato deve ser evitado.



Lembre-se de que, em casos mais graves, como calço hidráulico ou danos significativos aos componentes eletrônicos, o custo do conserto pode ser alto. E para recuperar seu carro com as melhores peças do mercado, conte com o COMPRE SUA PEÇA!

Fique atento às chuvas e sua segurança em primeiro lugar!

Últimos Posts

Atendimento

Segunda à Sexta-feira das 09h às 18h (exceto feriados)

© 2021 – COMPRE SUA PEÇA – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Creative by Kzulo Propaganda

Categorias
Carro

O que fazer quando a luz de óleo do seu painel acender?

O que fazer quando a luz de óleo do seu painel acender?

As luzes do painel do seu veículo comunicam informações importantes que você não pode ignorar, por isso, entender o significado das luzes é crucial para que você saiba o que está falhando e precisa de revisão. Neste artigo, abordaremos tudo o que você precisa saber sobre a luz de óleo do painel. 

A luz de óleo é uma das luzes mais críticas do painel do seu veículo e ignorá-la pode levar a problemas graves no motor do seu carro, incluindo a perda de componentes importantes do sistema de ignição. 

Continue a leitura!

As luzes do painel

Imagine que o painel do veículo é como o cérebro, utilizado para comunicar e alertar sobre as condições de peças e equipamentos, por isso, é comum dizer que suas mensagens são vitais. 

O painel do veículo é o local onde todas as informações essenciais são exibidas e, por meio das cores, você entenderá como está a saúde do seu carro. A luz de óleo é apenas uma das muitas luzes que você encontrará no painel, por isso, é importante conhecer todas as luzes do painel e entender quando e por que elas se acendem.

Cores das luzes do painel

Se você tem um carro, já percebeu que elas geralmente estão verdes ou azuis, indicando seu pleno funcionamento, contudo, quando algo não está funcionando corretamente, elas podem mudar e então você precisa saber o que as cores das luzes do painel indicam.

É importante verificar o manual do proprietário do seu veículo para entender o significado exato das luzes no painel, já que a nomenclatura e a cor das luzes podem variar entre diferentes modelos e fabricantes de automóveis. Ignorar luzes de advertência pode levar a danos ao veículo ou a situações de segurança precárias, portanto, é crucial prestar atenção a essas indicações e tomar medidas adequadas quando uma luz se acende.

As luzes azuis costumam ser usadas para indicar que um sistema está em operação. Por exemplo, de luz alta, indicam que os faróis de alta intensidade estão ligados.

Verde ou branco são geralmente usadas para indicar que um sistema está ativado ou em funcionamento normal.

As luzes amarelas podem indicar um defeito que ainda não é muito grave ou que o combustível está na reserva ou em alguns modelos, que é necessário abastecer o tanquinho de partida a frio. Além disso, podem ser:

  • Luz de pressão dos pneus: Indica que a pressão dos pneus está abaixo do recomendado.
  • Luz do sistema de injeção: Pode indicar problemas no sistema de combustível ou emissões.
  • Luz do ABS: Problemas no sistema de freios antibloqueio. 
  • Luz de desembaçador de pára-brisas: Indica o funcionamento do equipamento.

Já as luzes vermelhas são alertas críticos de algum componente, sendo necessário a parada, abastecimentos imediatos, abertura do capô e funcionamento do pisca-alerta. Nesses casos, o mais indicado é chamar um guincho e levar o veículo até o mecânico e relatar os problemas e mudanças que você notou nos últimos tempos:

  • Luz do motor: Problema no sistema de controle do motor.
  • Luz de temperatura do motor: Indica superaquecimento do motor.
  • Luz de freio: Alerta para problemas no sistema de freio.
  • Luz de freio de mão (de estacionamento): Significa que o freio está engatilhado e por isso, o carro não se movimenta.
  • Luz de airbag: Se essa luz se acender, o equipamento de segurança poderá não funcionar em caso de colisão.

Contudo, se as luzes estão piscando, pode também ser um indicativo de mau contato entre as peças, principalmente quando a intermitência ocorre durante as acelerações. Ou, se as luzes estão todas acesas, pode indicar falha elétrica grave!

Quando se trata da luz de óleo, a cor é um indicador importante do nível de urgência, afinal, a lubrificação é importante para proteger o veículo.

A importância da lubrificação para o carro

A lubrificação do motor é indispensável para proteger, preservar e prolongar a vida útil do veículo. Com um óleo lubrificante de qualidade e correspondente às características descritas no manual do usuário, o motor estará protegido por muito tempo nas mais diversas situações extremas.

Além disso, o lubrificante serve para:

  • Reduzir atrito entre peças: O motor de um carro tem várias peças móveis, como pistões, bielas e válvulas, que se movem rapidamente e entram em contato direto, gerando atrito. Isso pode causar desgaste prematuro e superaquecimento. A lubrificação adequada prolonga a vida útil das peças.
  • Evita o superaquecimento: A lubrificação também ajuda a dissipar o calor gerado pelo atrito e pela combustão interna. O óleo lubrificante carrega o calor das peças em movimento e mantém a temperatura do motor em segurança.
  • Vedação: O fluido lubrificante cria uma camada protetora nas paredes do cilindro e nos anéis de pistão, o que ajuda a vedar o espaço entre eles, evitando que os gases de combustão escapem, mantendo a eficiência do motor.
  • Limpeza: O óleo é agente de limpeza que auxilia na remover partículas do motor e, com o auxílio do filtro, retira todos os detritos e impede que eles circulem pelas peças, evitando acúmulos que podem prejudicar a saúde do veículo. 
  • Protege contra corrosão: Em sua composição há substâncias que formam uma película protetora nas peças metálicas. A mesma película que evita o desgaste das peças, também é importante para proteger de ações do tempo, clima ou de partículas que promovem a corrosão.
  • Reduz de ruído: A lubrificação adequada reduz o ruído gerado pelo atrito das peças móveis do motor, dando mais conforto aos ocupantes do veículo que podem viajar em silêncio.

Acendeu a luz de óleo? Fique atento

A luz de óleo é representada por um ícone de óleo de motor e é uma das luzes mais importantes e críticas do painel do veículo. Por isso, quando essa luz se acende, indica que o sistema de lubrificação do motor pode estar enfrentando problemas.

Se a luz de óleo acender, é importante saber como reagir imediatamente, já que ignorá-la pode ter consequências sérias. O primeiro passo é não entrar em pânico, conferir se tem todos os itens de sinalização e seguir as seguintes etapas:

  • Pare o carro imediatamente: Assim que notar a luz de óleo acesa, reduza a velocidade e encoste o carro em um local seguro. É importante que você não continue dirigindo com a luz de óleo acesa e caso pare em acostamento, sinalize com o triângulo e ligue o pisca-alerta.
  • Desligue o motor: Desligue o motor imediatamente. Após parar e sinalizar corretamente, desligue o carro e não tente dar um “jeitinho”. O motor desligado evita qualquer dano adicional que possa estar ocorrendo devido à falta de lubrificação.
  • Verifique o nível de óleo: Espere o carro esfriar e certifique-se que seu carro esteja parado em uma estrada plana. Abra o capô do carro e verifique o nível de óleo usando a vareta de medição de óleo. Medir o óleo pode causar diferença no nível real devido à dilatação das peças e “enganar” o medidor. Se estiver muito baixo, adicione óleo conforme necessário, se não tiver óleo disponível, chame o guincho e vá até um posto de gasolina. Use somente o tipo de óleo recomendado para o seu veículo.
  • Confira vazamentos: Enquanto o guincho não chega, procure por vazamentos de óleo sob o carro. Se você notar qualquer vazamento significativo, não tente continuar dirigindo e, não vá para o posto de gasolina, busque um mecânico de confiança e relate o que aconteceu.
  • Na dúvida, não continue dirigindo: O recomendado é que, ao menos que você tenha certeza de que o problema foi resolvido, não ligue o motor novamente. Dirigir com baixa pressão de óleo pode causar danos graves ao motor.
  • Chame um mecânico: A luz de óleo pode acender devido a diversas razões, incluindo baixa pressão de óleo, problemas no sensor de pressão de óleo, mau contato, vazamentos ou até mesmo problemas internos no motor. Somente um profissional qualificado poderá diagnosticar a causa e realizar os reparos necessários.

Não se esqueça de usar somente o óleo lubrificante com as especificações indicadas pela montadora do seu veículo. O produto errado pode causar desgastes precoces, superaquecimento, redução da potência e eficiência do motor, formação de borra que podem se tornar depósitos e diminuir a vida útil do motor.

Todos os componentes do veículo são importantes, contudo lembre-se de que a luz de óleo é um indicador crítico da saúde do seu motor, o coração do seu veículo. Não é recomendado ignorar essa luz que pode resultar em falha do motor e reparos caros. Por isso, sempre leve a sério qualquer sinal de alerta relacionado à lubrificação e às luzes do painel e tome medidas imediatas para resolver o problema com profissionais.

Para evitar que a luz de óleo acenda, realize manutenções e utilize óleos lubrificantes e peças de qualidade.

O COMPRE SUA PEÇA possui uma grande variedade de óleos lubrificantes mineral, sintético ou semissintético para seu carro, caminhão ou motocicleta, além de peças para o sistema de ignição de diversas marcas. 

Confira em nosso site e faça a escolha correta!

Categorias
Carro

Quais foram os carros mais procurados por mulheres em 2023?

Quais foram os carros mais procurados por mulheres em 2023?

Existe carro feminino? Alguns modelos são sempre os mais procurados por mulheres e acabam ganhando esse rótulo, apesar de nenhum deles ser voltado para nenhum gênero específico.

Contudo, alguns veículos ganham mais atenção do público feminino, seja pela sua praticidade, tamanho ou design, que chamam a atenção mais de mulheres que de homens, mostrando que os dois grupos, geralmente possuem necessidades distintas.

E isso se reflete nos números de carros mais procurados por mulheres. Quer saber quais são? Continue a leitura, mas antes, confira um pouco da história e relação entre mulheres e carros.

Mulheres e carros: uma relação distante por muito tempo

Por muito tempo, carros e atividades relacionadas ao automobilismo foram relacionadas ao universo masculino, mesmo as mulheres sendo responsáveis por muitas mudanças importantes no setor e protagonistas de momentos que transformaram o mundo automotivo.

Nos primórdios do carro, Karl Benz teve a ajuda de sua esposa Bertha Benz para testar a durabilidade e eficiência do seu veículo. Ela sempre se interessou por mecânica e sua condição financeira privilegiada permitiu seguir seus sonhos.

Ao se casar com Benz, ela teve a ideia de viajar sozinha com os filhos e sem a autorização do veículo. O trajeto de 100 km foi essencial para que ela percebesse que os veículos precisavam de melhorias, principalmente com relação aos freios: sua solução deu origem às lonas de freio.

Além disso, Bertha solucionou sozinha os problemas mecânicos e de combustível. Já Florence Lawrence, percebeu que faltava sinalização para que o motorista fizesse conversões com segurança e assim nasceram as setas! Mais tarde ela também desenvolveu o protótipo da luz de freio. 

Contudo, segundo o site Auto Papo, Lawrence não recebeu nada por suas invenções devido às dificuldades de patenteá-las.

As mulheres ainda estão presentes em equipes de corridas, cargos altos em montadoras, são chefes de equipe de automobilismo e em muitas outras áreas, mostrando que, carro não é coisa de homem, mas para todas.

E sua presença no mercado consumidor também é bastante expressiva e as motoristas e proprietárias são conhecidas por manterem seus veículos em bom estado e em segurança: segundo o site Uol Carros, seguros veiculares podem ser até 40% mais baratos para mulheres.

Mas atenção, isso pode variar dependendo do histórico nas pistas, ou seja, quem possui menos multas e envolvimentos em acidentes é considerado mais confiável e, por isso, pode pagar menos!

Os carros mais procurados por mulheres em 2023

Definir as preferências femininas não é simples, afinal, mulheres possuem necessidades diferentes: uma mãe, por exemplo, pode buscar mais espaço interno, uma executiva, praticidade e modelos menores.

Já estudantes, podem querer um modelo mais econômico e mais em conta. Por isso, trouxemos aqui os carros mais procurados por mulheres com base em estatísticas, acompanhe!

Chevrolet Onix

O Onix é um dos veículos mais vendidos do Brasil e também ocupa um lugar de destaque entre as preferências femininas. 

Volkswagen T-Cross

Os modelos SUV estão em alta e o T-Cross é um dos mais seguros e espaçosos do mercado, além de possuir um bom desempenho.

Fiat 500

Pequeno e delicado, o FIAT 500 é uma opção para mulheres que querem algo moderno, já que ele é vendido em sua versão “E” e elétrico. O valor não é o mais acessível, porém o compacto tem chamado a atenção.

Hyundai HB20

Aliado a um design compacto, robusto e moderno, o Hyundai HB20 também é um dos veículos mais seguros da atualidade. Outro ponto a favor é a revisão e manutenção mais baratas comparada aos concorrentes.

Honda Fit

Entre os carros mais procurados por mulheres, está o Honda Fit, um sedan espaçoso, potente e com boa dirigibilidade, além de ser econômico, fazendo até 11.6 km/l.

Nissan Kicks

O Nissan Kicks é um SUV compacto e confortável, devido ao seu sistema de suspensão que elimina trepidações, é seguro em curvas e lida bem com terrenos irregulares. Uma boa opção para mulheres que buscam um carro econômico: faz 11,4 km/l (cidade) e 13,7 km/l (estrada) com gasolina.

Os melhores carros de 2023 segundo mulheres

Nos últimos 13 anos, 63 jornalistas mulheres especializadas em carros, selecionaram os melhores carros do ano, baseados em segurança, condução, conforto, tecnologia, design, eficiência, impacto no meio ambiente e relação custo-benefício.

Os 6 selecionados são publicados no site Women’s World Car of the Year, confira a lista:

Melhor Modelo Urbano: Kia Niro

É espaçoso, prático, seguro, fácil de conduzir, de baixíssimo consumo de combustível e é ecológico devido aos seus conjuntos de propulsores.

Melhor SUV familiar: Jeep Avenger

É o primeiro veículo 100% elétrico da Jeep, tem um design arrojado e adaptado para o off-road, apesar da tração dianteira.

Melhor carro de grande porte: Citroën C5 X

É encontrado nas versões a gasolina e híbrido, possui espaço amplo, conforto e design atraente.

Melhor SUV de grande porte: Nissan X-Trail

O veículo tem capacidade para 7 pessoas e amplo espaço interno. É eficiente em terrenos acidentados e é híbrido, com seu motor funcionando com um sistema de propulsão fornecido por um motor a gasolina.

Melhor performance: Audi RS3

Um esportivo com o melhor da tecnologia Audi de carros de corrida.

Melhor 4×4 e pick-up: Ford Ranger

Uma picape versátil, com bom desempenho em todos os terrenos, eficiente tanto como um off-road como um carro para o dia a dia. 

E para você que está em busca de ter um dos carros mais procurados por mulheres em 2023, não se esqueça das manutenções e passe no COMPRE SUA PEÇA para garantir as melhores peças e equipamentos para seu veículo. 

Categorias
Carro

Como é o funcionamento de um carro elétrico?

O carro elétrico está cada vez mais comum em ruas e lançamentos de muitas montadoras, ficando mais próximo do público. Apesar dos altos valores, é apenas uma questão de tempo até que se tornem mais populares.

Além de serem silenciosos, os carros não emitem poluentes e não utilizam combustíveis fósseis, sendo uma opção muito mais sustentável para o planeta que pede por medidas urgentes de proteção. Podemos discutir a questão do descarte das baterias, mas esse é assunto para outro conteúdo.

Mas, antes de entender como eles funcionam, você já imaginou como surgiram os carros elétricos? Por trás dessa tecnologia estão décadas de estudos, avanços e inovações até que eles pudessem ser comercializados.

Os Primeiros Carros Elétricos: O Início de uma Revolução

Flocken Elektrowagen

Apesar de novos nas ruas e propagandas de televisão, os carros elétricos não são uma invenção tão nova: Desde o final do século XIX, os primeiros carros elétricos começaram a ganhar vida. 

De acordo com o site Iberdrola, em 1828 o húngaro Ányos Jedlik criou o primeiro motor elétrico do mundo que, depois, foi instalado a um modelo de carro. Do outro lado do mundo, em 1934, o estadunidense Thomas Davenport construiu um modelo que funcionava em uma pista eletrificada.

Porém, o maior avanço no século foi o de Robert Anderson, pai do carro elétrico, que apresentou um protótipo de um carro alimentado por células elétricas. Esse modelo serviu como base para muitos outros, porém eles não possuíam baterias que poderiam ser recarregadas, um problema que persistiu até 1859 com a invenção das baterias recarregáveis.

E em 1881, Camille Faure foi essencial para que Gustave Trouvé apresentasse seu triciclo elétrico na Exposição Internacional de Eletricidade em Paris: ela aperfeiçoou a bateria, dando mais autonomia ao veículo. Todas essas inovações possibilitaram a criação do  Flocken Elektrowagen, pelo inventor alemão Andreas Flocken: Ele possuía motor de 0.7kW e chegava a 15km/h, com uma bateria pesando 100kg.

Como funciona um carro elétrico?

Diferente dos carros convencionais, o carro elétrico não necessita de gasolina ou álcool para se locomover e isso é um dos seus maiores atrativos, já que não libera gases tóxicos no ar. Eles funcionam com 3 componentes principais:

  • Bateria;
  • Inversor;
  • Motor de Indução;

O motor de indução

Dentro do motor de indução do carro elétrico existem duas peças principais: Estator e Rotor. 

Assim que sai da bateria -tópico que falaremos adiante- a energia está em forma de corrente alternada trifásica e vai diretamente para o estator no qual é criado um campo magnético ao seu redor, que envia a corrente às barras do rotor que gira. 

O rotor abriga o eixo que gira e faz com que a eletricidade se transforme em energia mecânica. Dessa maneira, elimina-se a caixa de transmissão, peça comum em carros à combustão. 

Inversor

Essa peça transforma a corrente contínua em alternada e é o centro do carro elétrico, controlando a frequência de envio da energia para o estator. Ao uniformizar a energia, controla a potência do motor. 

A bateria

Um dos componentes mais importantes e falados dos carros elétricos são as baterias que evitam o uso de combustíveis fósseis e emissão de gases tóxicos na atmosfera. Elas são compostas de células de lítio e dispostas lado a lado, gerando calor e a energia necessária para a movimentação.

O calor produzido é resfriado com glycol que chega ao destino por tubos metálicos após passar pelo radiador, que também é um dos componentes do carro elétrico. 

Vistas como limpas e sustentáveis, as baterias também são centro de polêmica, como falamos no início do texto, afinal, elas possuem vida útil limitada e então como descartá-las e evitar que seus componentes prejudiquem o meio ambiente?

Outro ponto é, assim como o petróleo, o lítio é um material produzido pela natureza, que pode se extinguir e a mineração pode causar danos ao meio ambiente, como desmatamento, contaminação de nascentes e destruição de paisagens. Além disso, a produção de lítio aumenta consideravelmente a cada ano.

Conforme o site Terra, em 2022 foram extraídos 130 mil toneladas métricas, com previsão de quadruplicar essa quantidade em 2030 e, apesar da facilidade em encontrar, os depósitos de lítio estão localizados em pequenas partes do planeta. O desafio é fazer a extração de uma forma que não prejudique o meio ambiente, esgote os recursos e a possibilidade de inovações tecnológicas.

Como recarregar um carro elétrico?

Um recurso necessário para que os carros elétricos funcionem é a eletricidade, já que suas baterias são recarregáveis e possuem autonomia limitada. E em poucos aspectos esse processo de recarregar é semelhante ao de abastecer o veículo com combustível. 

É possível ter um carregador em casa, mas a melhor opção ainda são os postos, já que são necessárias adaptações e o custo pode ser elevado para a conta de energia e o carregamento mais lento. 

Atualmente no Brasil existem mais de 100 pontos para a recarga de baterias, muitas em postos de combustível, estacionamentos ou estabelecimentos privados. E a vantagem é poder recarregar rapidamente, atingindo até 80% da carga em menos de uma hora e em alguns pontos, de forma gratuita. Tornando-se uma opção econômica a longo prazo, já que o investimento inicial é maior que um veículo a combustão.

Manutenção do Carro Elétrico

Ao contrário dos carros a combustão, os carros elétricos requerem menos manutenção, pois possuem menos componentes que um veículo convencional, contudo, como qualquer máquina, é necessário fazer revisões periódicas e verificações na bateria, pneus e freios regenerativos, para o bem do veículo e de seus ocupantes.

Em um carro elétrico, o motorista não vai realizar trocas de óleo, manutenção no sistema de carburação, transmissão e substituição do filtro de ar, velas de ignição e correias de transmissão, pois essas peças não são necessárias. 

Os carros elétricos estão revolucionando a indústria automotiva. Desde os primeiros modelos até a infraestrutura de recarga e manutenção, essa tecnologia oferece benefícios para o meio ambiente e para os motoristas. Se você está pronto ou quer fazer parte dessa transformação, deixe seu comentário ou dúvida sobre o assunto.

E, se você ainda não migrou para os carros à eletricidade, adquira o que você precisa no COMPRE SUA PEÇA!

Categorias
Carro

Os carros mais queridos dos brasileiros: do Kadett ao Astra

Nosso terceiro clássico da série Os carros mais queridos dos brasileiros é o Astra, um gigante que somente na União Europeia vendeu mais de meio milhão de unidades, afinal, foi produzido desde 1936!

Mas, durante esses anos, o Astra recebeu muitas modificações, modernizações e até mesmo uma mudança de nome: Ele nasceu como Kadett e se tornou Astra em 1979, quando foi batizado pela inglesa Vauxhall.

Até chegar no Brasil ele passou por muitas modificações, até que em 2011 foi descontinuado pela montadora, porém, ainda é possível encontrar muitos pelas estradas.

Se você quiser conhecer a história de mais esse clássico das garagens brasileiras, continue a leitura! E não se esqueça de conferir a nossa viagem ao tempo com o Corsa e o Palio.

O nascimento do Astra

 

Como dito anteriormente, o Astra foi batizado com o nome Kadett em 1936, inaugurando e popularizando o segmento de compactos da Opel. Essa primeira geração foi comercializada até 1940 quando foi interrompida.

O Opel Kadett 1 foi um sucesso devido a sua modernidade e preço: tinha capacidade para até quatro pessoas e poderia ser conversível ou cupê. De revolucionário ele trazia a carroceria em monobloco e motor 1073 cm3, fazendo com que chegasse até 100 km/h.

Após o intervalo, o veículo só voltou às estradas em 1962, com a renovação da linha que durou por 11 gerações e mais de 80 anos!

O primeiro dessa linha foi o Opel Kadett A, com um porta-malas generoso, motor econômico e baixo custo de manutenção. A boa visibilidade, desenho moderno e arrojado para a época, fizeram dele um sucesso instantâneo.

A Opel Kadett B foi lançada em 1965, com quatro metros de comprimento e inspirados nos modelos Fastback dos EUA, isso fez com que o sucesso do carro fosse para além da Alemanha, chegando a ser exportado para 120 países.

As linhas C e D foram as últimas a serem vendidas fora do Brasil e contavam com mais inovações, popularizando ainda mais o modelo e ainda se tornando um grande sucesso de vendas: entre 1979 e 1984 foram produzidas  2.1 milhões de Kadett D.

A chegada do Astra no Brasil

 

Se você é apaixonado por carros, conhece o Kadett que foi sucesso no Brasil nos anos 80 e 90. E essa geração foi a última a usar o nome Kadett antes da mudança definitiva para Astra.

O Opel Kadett que chegou ao Brasil em 1984 a 1991 teve 3.779.289 unidades vendidas e foi a maior venda da Opel até então. O design aerodinâmico e inovador foi resultado de mais de 1200 horas de teste, perdendo somente para a versão GSi, que foi considerado o mais aerodinâmico do mundo!

Em 1991 o Kadett passou a se chamar Astra F e, mais uma vez, o sucesso foi imediato: 4,1 milhões de unidades produzidas. E além das proteções laterais em todas as portas, ele também tinha sistema ativo de cintos com tensionadores nos bancos dianteiros, cintos ajustáveis em altura e rampas anti-mergulho nos bancos.

Uma inovação e que chamou a atenção de compradores e montadoras foi o catalisador, visando agredir menos o meio ambiente.

Opel Astra G nasceu em 1998, foi comercializado no Brasil no ano seguinte até seu fim, em 2011, nas versões Hatch, Wagon, Cupê e Cabriolet. Em comum, a robustez da carroceria, motor moderno e maior espaço interno: 10 centímetros a mais entre os eixos. 

Linha do tempo do Astra no Brasil

  • 1998- Início da produção do Astra no Brasil, com carroceria Notchback e Sedan, com duas ou quatro portas e versões  GL 1.8-8V, GLS 2.0-8V e GLS 2.0-16V.

  • 2000- A versão Sport 2.0- 8V é lançada com inúmeras inovações: tecido, rodas, painel, lanternas e faróis exclusivos de fábrica e teto solar opcional, além da versão Millenium em comemoração à virada do milênio e grafismo nos bancos;

  • 2001- A versão Millenium foi descontinuada enquanto a GL ganhava novas calotas e conta-giros.

  • 2002- A série Sunny é lançada e o câmbio automático é introduzido na versão CD 2,0, 8V. Ainda neste ano o Astra Sedan, Expression é lançado com os controles do rádio acoplados no volante.

  • 2003- Ano que o Astra sofre uma grande mudança e a versão GSi é lançada com motor 2.0-16V e opção de quatro postas para o Notchback. Neste mesmo ano, a linha é marcada pelo fim do motor 1.8 a gasolina e a adoção do 1.8 à álcool, somente para frotistas.

  • 2004- A novidade do motor Flexpower chega ao Astra e em 2004 o primeiro modelo 2.0-8V é lançado nas versões Comfort, Elite e Elegance. Além disso, também foi lançada a versão Multipower, que poderia ser abastecida também com GNV.

  • 2005-  Fim das versões com apenas um combustível e desde então foram lançadas somente versões com motor Flexpower.
  • 2006- O ano é marcado como último ano da versão Comfort e a Advantage vem em 4 portas Sedan e Notchback.
  • 2007- Uma mudança importante acontece: Fim das versões com 2 portas do Hatch, Elite e Elegance.
  • 2008- Neste ano a versão SS foi descontinuada e seus acessórios se tornaram Kit Esportivo.
  • 2009- Foi a última grande mudança do Astra: foram retirados freios ABS, computador de bordo, contudo, foi apresentado um novo motor, o 2.0 FlexPower.
  • 2011- O carro deixou de ser produzido.

Curiosidades

 
  • Em 1963, foi lançada a Kadett Caravan, sua versão Wagon;
  • Se fossem enfileirados todos os Astra produzidos, seriam mais de 100 mil km e dariam duas vezes e meia a volta à Terra;
  • Participou da Stock Car de 2003 até 2008;
  • Era considerado um automóvel médio com preço de compacto;
  • Teve seu fim decretado em 17 de julho de 2011;
  • Seus sucessores foram o Cobalt e o Sonic;

Os fatores preço, design e capacidade foram essenciais para que o Astra se tornasse um sucesso! E isso se reflete até nos dias de hoje no mercado de reposição de peças: muitos donos desse grande sucesso ainda mantém em suas garagens esse clássico de vendas!

Por isso que aqui no Compre Sua Peça temos disponíveis inúmeros itens para atender você e seu veículo! Corra em nossa loja virtual e garanta o seu!

Fonte das imagens

https://quatrorodas.abril.com.br/noticias/grandes-brasileiros-chevrolet-astra-gls-sucessor-do-kadett/

https://motor1.uol.com.br/features/590406/opel-chevrolet-astra-30anos-historia/

OPEL KADETT FOI LANÇADO HÁ 85 ANOS, EM 1936

 

Categorias
Carro Oficina

Os carros mais queridos dos brasileiros: Palio

Após uma viagem pela história do Corsa, o Blog do Compre Sua Peça vai falar sobre outro carro que até hoje é um dos favoritos entre os brasileiros: O Palio e suas versões. Desde seu surgimento até curiosidades.

O Palio foi um modelo compacto da FIAT (Fabbrica Italiana Automobili Torino, sabia que era esse o significado?),, já popular no Brasil por ser montadora de outros clássicos, como o Uno, Fiorino, Tipo, Marea, 147, Elba, entre muitos outros nomes.

Assim como sua marca, o Palio também é popular, mesmo tendo saído de linha em 2018 após o lançamento do Fiat Argo. 

Quer entrar mais na história desse modelo queridinho? Então continue a leitura!

A história de um clássico: Como surgiu o Palio?

 

O Palio surgiu para competir com o Gol, um gigante de vendas pelo país, por isso, o modelo já nasceu com uma grande missão, ser tão ou mais rentável que o concorrente que tinha um nome feito.

Porém, de acordo com o UOL carros, sua caminhada até o sucesso não foi fácil: O Palio conseguiu bater o rival apenas em 2014, quando teve mais unidades vendidas no Brasil!

Mas, isso não apaga sua trajetória: Antes de se tornar o que conhecemos hoje, o Palio era conhecido como Projeto 178 no centro de desenvolvimento da FIAT em Turim, Itália e tinha como proposta, ser um substituto ao Uno, mais robusto e confortável, apesar de usarem a mesma plataforma.

A maior diferença, para além do visual, eram os 9 centímetros a mais no entre-eixos e na suspensão dianteira com subchassi para deixar o veículo mais firme.

Sua estreia no mercado brasileiro aconteceu em 1996, para ser tão impactante como o seu rival compacto, o Corsa, mas com adicionais que davam um ar de modernidade, como airbag duplo, corte de combustível em caso de colisão e freios ABS.

Com relação ao motor, o Palio começou com um 1.5 (produzido no Brasil) e 1.6, novidade no mercado. Somente após alguns meses depois, em julho, a versão mais econômica 1.0 apareceu, com motor Fiasa de 61cv nas duas versões ED (somente em duas portas) e EDX (duas ou quatro portas, para-choque preto fosco e mais equipamentos de série).

Já em 1998, o motor 1.5 saiu de linha, dando lugar ao 1.6 8V em uma versão que podia ser colorida por dentro (Azul, Cinza ou Vermelho) e com nome de EL. No ano seguinte, o ED e EDX mudaram de nome para EX e EXL, podendo ser equipada com embreagem automática, logo substituída pela injeção eletrônica.

Em 2001, o Palio sofre modificações e entra em sua segunda fase, que não pode ser ainda chamada de segunda geração, afinal não foram grandes mudanças ocorridas: a FIAT decidiu mexer pouco na carroceria e plataforma, mantendo muito do original.

O mesmo aconteceu na terceira fase, iniciada em 2004, porém dessa vez alguns retoques foram feitos para que o Palio se destacasse, por exemplo, os faróis mais arredondados e abaulados.

A partir de 2011 o Palio passou por uma repaginada total, sendo considerada a segunda geração do automóvel que já não lembrava muito seus antecessores, ganhando o nome de Novo Palio.

A novidade contava com motores 1.0 Fire EVO e 1.4 Fire EVO, sidebags e airbags, para-brisa térmico, volante em couro, abertura automática do porta-malas entre outros itens que valorizavam o novo design.

Variações do Palio

 

Já em 1997, um ano após o seu lançamento, as variações do Hatch começaram a surgir e a primeira foi a Wagon Weekend, que teve como chamariz o porta-malas de 500 litros. Em 1999, o Palio Weekend Adventure inovou ao ser 4 centímetros mais alto e estilo off-road, o que inspira compactos até hoje!

Mas além da versão Weekend, em 2001 foi lançado o Palio Young com a mesma carroceria da fase 1, motor Fiasa ou Fire (depois de 2001). 

E não parou somente nessas versões, o automóvel também foi a inspiração para vários outros automóveis, como o Siena e a pick-up Strada, com a inovadora cabine estendida, algo que chamou a atenção de compradores e do mercado na época

O fim de uma era

Em 2017 a Fiat decidiu ser hora de parar com a produção de um carro tão querido pelos brasileiros, mas apesar disso, ele continuou a ser vendido em concessionárias até 2018.

Além da renovação da marca, o Palio sofreu uma queda drástica de vendas com o passar do tempo: de 183.736 unidades em 2014, foi para pouco mais de 21 mil em 2017. Contudo, a versão Weekend saiu de linha somente dois anos mais tarde.

Curiosidades sobre o Palio

  • Foi um modelo desenvolvido para mercados emergentes;
  • 3,2 milhões de unidades fabricadas e 3 milhões vendidas no Brasil;
  • Palio é a palavra em italiano para ‘páreo’, um tipo de corrida de cavalos que acontecia no século 17;
  • Uma das inovações que não fez muito sucesso entre o público foi a Citymatic ela possuía embreagem automática, que era acionada somente ao toque no motorista no câmbio. 
  • O Pailo 2001 possuía CD Player com capacidade para 5 discos. Era um item de luxo e opcional;
  • Apareceu nas novelas “Prova de Amor” e “Laços de Família” (2000), além do filme “Espião Por Acidente”;
  • Em 2000 a Fiat produziu uma versão especial para comemorar os 500 anos do Brasil.

Mesmo com tão pouco tempo fora das concessionárias, esse é um modelo que deixou saudade e é muito procurado em lojas de carros usados, afinal, é econômico e espaçoso, características perfeitas para qualquer automóvel.

Você é um Paliolover ou tem um em casa? Sabia que dá para contar com o Compre Sua Peça para peças de reposição do seu possante? Faça uma visita em nosso site e descubra a variedade!

Fonte das imagens